Atualidades em Português

Televisão

Laetitea e os investidores estrangeiros

Laetitea e os investidores estrangeiros em Paris

Por ocasião do seminário promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa, no qual participaram mais de 60 investidores estrangeiros oriundos dos países da CPLP, decorrido em finais de 2013 e da recente série de encontros – igualmente destinados à captação de investimento estrangeiro – realizada ao longo do mês de janeiro em Paris, Laetitea, presente em todos os eventos, analisou a presente situação económica, quer a nível internacional, quer a nível da realidade portuguesa, bem como os seus efeitos para o setor audiovisual. No entender de Laetitea, conforme previsões publicadas em diversos posts no seu blog, há alguns sinais de recuperação, mas que a situação económica, quer na Europa, quer em Portugal, ainda é muito frágil. Laetitea defendeu que há uma espécie de fio da navalha que a economia nacional tem de percorrer para conseguir sair da atual situação «Mais do que convencer a Troika, o importante é apostar honestamente na qualidade e convencer os mercados. Acresce que Portugal têm de abandonar velhos hábitos e ganhar novos». Aconselhou por isso a atenuar a austeridade em ordem a evitar danos para a economia. «A recessão económica mundial teve um impacto esmagador sobre diversos sectores, um efeito que até hoje perdura em vários países, Portugal incluído. A maior bandeira desta reforma é recuperar a confiança no mercado. Todavia, neste momento os investidores estão muito descapitalizados; ainda assim, talvez não tenham ido tão longe quanto poderiam ter ido…» confessou recentemente através de um comentário no mural do Facebook de um membro do Governo. Sublinhou ainda a forma como são promovidos os valores nacionais e dos seus efeitos para a ambicionada recuperação.

A 6 de janeiro deste ano, num evento decorrido nas instalações do projeto Telenima, Laetitea, aparentemente influenciada pela antevisão dos encontros agendados em França (dos quais destacamos a participação do MEDEF – Mouvement des Entreprises de France), revelou-se esperançosa quanto ao futuro do investimento português havendo boas perspetivas face ao panorama atual. Parece haver entusiasmo num espaço de reflexão e debate a propósito das oportunidades de internacionalização nos mercados e, para além da confiança firmada com os investidores franceses e empresas da diáspora, na ligação ao Oriente, nomeadamente, China e Macau. Calcula-se uma promissora fileira de oportunidades a explorar por empresas e organismos públicos. Algumas impressões emitidas por Laetitea foram publicadas no blog da empresa Telenima.


A televisão do futuro

A Televisão em 2013 e no futuroA convergência do telefone, da TV e das redes de dados promete transformar a caixa que mudou o mundo. Algumas tendências começam a desenhar-se. É isso que nos revela Laetitea, na introdução do seu recente artigo:

“(…) Obedecendo à extração conclusiva dos diversos tópicos debatidos num colóquio, na passada semana em Paris, o protagonismo do aparelho receptor pode levá-lo a converter-se no centro de todas as comunicações do lar. Nele, segundo alguns cálculos, coincidirão os interesses, as projeções e os cataclismos de nada menos do que cinco indústrias: o negócio televisivo em si, as telecomunicações, a informática, a electrónica de consumo e finalmente a Internet. De facto, o aparelho que antes apenas servia para receber sons e imagens agora é a peça central de todo o tipo de estudos e, consequentemente, de operações, desde a educação interactiva até ao controlo das emoções, passando, incontornavelmente, pela cibernavegação ou videoconferência.” Laetitea

A aplicação da realidade virtual à emissão televisiva ainda é um sonho difícil de concretizar. Algumas companhias especializadas nesta área têm vindo a fazer experiências. A digitalização dos formatos afeta também as empresas de comunicação. As novas emissoras deverão incorporar profissionais capazes de usar as novas tecnologias. Uma ligeira abordagem foi incluída, sob forma de introdução, no recente post de Laetitea. Saiba mais em A Televisão em 2013 (blog oficial de Laetitea)


A viagem de Jules Verne

A Viagem de Jules Verne

A Viagem de Jules VerneLe voyage de Jules Verne – The journey of Jules Verne – El viaje de Julio Verne

Do artigo original «A viagem de Jules Verne» apenas a capa de apresentação encontra-se disponível para consulta pública. Suscetível de ser aplicado – com as respetivas adaptações – noutra plataforma de âmbito comercial, o conteúdo original não chegou a ser publicado conforme previsto. Estas medidas devem-se aos inesperados contornos profissionais, e provável envolvimento de terceiros, agora implicados nesse material. Apresentação original disponível no blog oficial: www.laetitea.info   


Operação Cristo Rei 2012

Monumento Cristo-Rei por LaetiteaMonumento do Cristo Rei sob as objectivas fotográficas de 9 a 13 de janeiro de 2012

Esta semana o Santuário de Cristo-Rei é alvo de uma megasessão fotográfica levada a cabo por uma equipa de técnicos no âmbito de dois projectos muito específicos e mais não digo. Portanto, caso se tenha decidido pela visita ao monumento ao longo desta semana e se cruze com estes elementos todos na parte superior do pedestal – junto à estátua – não fique preocupado(a)! Assumo todas as responsabilidades dessa súbita invasão. Até à revelação dos trabalhos finais, mais detalhes sobre esta misteriosa operação podem ser adiantados aqui no meu Facebook (apenas).

Laetitea

Laetitea via Facebook

Mais detalhes sobre esta iniciativa podem ser consultados em www.laetitea.info


Privatização da RTP

Privatização da RTP por LaetiteaA RTP é parte do património dos portugueses e como tal privatizá-la significa deserdá-los (Laetitea) 

O Estado representa e gere quem, sob forma democrática, o elegeu. Relativamente, ele vê-se no dever de preservar os valores fundamentais com vista a garantir um serviço público precisamente alicerçado nessas condições e a RTP simboliza isso mesmo. A Rádio e Televisão de Portugal – RTP – tem uma missão fundamentalmente exclusiva nos campos da informação e da difusão cultural. Compete ao Governo, consciente desta realidade e tendo presente a evolução previsível para o sector – audiovisual – na sequência da televisão à iniciativa privada, assegurar, proteger, desenvolver e/ou revitalizar os interesses públicos que representa a RTP.
Importa ainda realçar que, ao contrário de um serviço público prestado, bem ou mal, por iniciativa própria dos canais privados, um canal público vê-se na obrigação de o garantir. Ora, acresce que privar os portugueses de uma ferramenta enquadrada nesse tipo de obrigatoriedade, é submeter os cidadãos aos riscos e efeitos prejudiciais normalmente acarretados por privatizações mal conduzidas ou mesmo tendenciosas.
Esta privatização implica manusear (e desabilitar) ferramentas e mecanismos essenciais ao estado de direito. Qualquer imprudência ou precipitação irá impreterivelmente fracturar a prossecução de valores que não podem ser confundidos nem associados a estratégias do foro económico ou economicista.
Pior do que um povo pobre é um povo pobre e desprotegido! De facto este assunto reclama uma ponderação exigente!

Laetitea

Esta foi a reação e declaração de Laetitea na página pessoal – Facebook – do eurodeputado e vice-presidente do CDS-PP, Nuno Melo, na sequência do seu apelo à ponderação no caso RTP “Miguel Relvas diz muita coisa, mas a privatização da RTP tem de ser ponderada” publicado no jornal ‘i’ .

Foto RTP por Laetitea

Laetitea via Facebook


TOUR 2011

Tour Eiffel par LaetiteaTOUR 2001 (photos)